quinta-feira, 5 de março de 2009

Eu mordo, tu mordes, ele morde

Para o Ducho e seus bons dentes

A situação não é inédita, muito pelo contrário, é tristemente recorrente.

Aconteceu numa escola do interior do estado de São Paulo : um moleque de 4 anos mordeu um colega. Até aí nada mais costumeiro. Tapas, beijos, mordidas, arranhões e puxões de cabelo são lugar comum nas salas de educação infantil.

Só quem nunca teve filhos é que não sabe disso. E quem tem mais de um sabe que nem precisa ir para escola, isso já rola em casa mesmo.

Aí a escola (deve ser uma escola muito nova, com diretores, coordenadores e professores totalmente inexperientes) ligou para a mãe do moleque para saber como é que eles iam explicar o fato para o pai da criança mordida.

Pior, sugeriram para a mãe do mordedor que ele deveria ser rebaixado para uma classe de crianças mais novas que ele (essa parte eu não entendi muito bem, será que numa classe com menores ele vai morder menos ? ou será que os menores tem a carne mais dura o que desestimularia o hábito de morder?).

Se existir alguma lógica nisso, eu imagino que se ao invés de morder ele tivesse sido mordido, ele deveria ser promovido para uma classe com os mais velhos.

O que acontece é que o menino com os caninos afiados tem síndrome de Down, o que deve tornar suas mordidas totalmente diferentes de todas as demais crianças. Provavelmente devem ser mordidas especiais. Talvez até excepcionais.

Imagino que a diretora deve ter ficado preocupada que a síndrome fosse contagiosa e precisasse avisar o pai do mordido que era bom procurar um médico. A coordenadora deve imaginar que as crianças que tem a trissomia do 21, e mordem, precisam ser pedagogicamente retidas ou que devam ser objetos de atendimento educacional especializado.

Imagino que o raciocínio seja bem mais simples de compreender. Junte uma dose de ignorância com uma dose de preconceito e você sempre vai ter gente achando que as pessoas com deficiência não fazem exatamente as mesmas coisas que as pessoas sem deficiência.

Só que, no caso desses últimos, é uma atitude comportamental corriqueira e, dos primeiros é decorrência da deficiência.

Pais de crianças com síndrome de Down, um alerta : não deixem de procurar o geneticista mais próximo para fazerem um cariótipo dental da molecada, talvez isso explique algo.

Ou procurem escolas com profissionais de educação que saibam lidar com crianças.

Descrição da imagem : desenho de uma placa de sinalização mostrando uma boca cheia de dentes e o aviso : Cuidado mordidas!

4 comentários:

Arimar disse...

Fábio.
Não dá para acreditar em tamanha ignorância, preconceito e tudo de pior.
Também está na hora dos educadores se apropriarem do que acontece , dos conceitos, e pricipalmente do que é Educação.
Beijos revoltados.
Arimar

Celina disse...

Pois é Fabio. á muito mais fácil atrbuir o comportamento à deficiência. Aí a escola pode se isentar de trabalhar as relações (como deve fazer com toda e qualquer criança), já que o "problema" está encarnado na criança com deficiência. Infelizmente isso ainda acontece muito, e muitas vezes por ignorância (sem desculpa, pois compete ao educador, como parte de sua prática profissional, estudar e se formar para atender todos seus alunos)

Lumiy disse...

Fábio,
normalmente a criança que foi mordida é que provocou aquele que o mordeu - é uma defesa, faz parte da infância e independente se é com ou sem deficiência. Como pode o educador ficar preocupado em "o que falar p/os pais ?" - Gente ... precisa conhecer, no mínimo, o comportamental da criança antes de exercer como educador infantil.

Sandra Helena disse...

Fábio

Esplendorosa sua forma de falar dessa situação caótica em que se encontra a educação no cotidiano das instituições... afinal "a culpa é sempre do outro", da criança, da família, do piriquito, do papagaio ... só rindo pra não chorar